sábado, 1 de outubro de 2011

Autoria :  Paty Bolonha
 
Jacó - O Jacaré que não queria ser o que é .
 
Jacó, um jacarezinho de papo amarelo ,
Mora em uma linda lagoa ,
Mas está em depressão porque não se acha belo.
Só põe os olhinhos de fora,
Não quer nem aparecer pois sabe que apavora.
 
Queria ser um bicho colorido, manso e divertido.
Talvez com a pelagem macia e não com aquele casco duro.
De tanta vergonha que sentia, até para se alimentar, Jacó só saia da toca quando já estava escuro.
Ele não gostava de comer carne, preferia fruta
E por isso se achava vítima dos outros jacarés que reprovariam sua conduta.
 
Ouvia sempre gritar o Grande Rei Jacarezão .
- Filho meu tem que ser destruidor, mostrar para a caça o seu furor !
Mas Jacó era o contrário de todos os da sua espécie , pois ele acreditava mesmo era no amor.
Ficava horas enterrado na lama, sob o sol, admirando a natureza ao redor.
Queria ser um pássaro e poder cantar e voar.
Queria ser uma borboleta e poder como elas dançar.
Queria ser perfumado como as flores.
Queria ser um camaleão de mil cores .
Talvez engraçado como o mico.
Ou pular como o Tico-Tico.
 
Deveria gostar de ser um réptil violento, aterrorizante e brigão, mas só consegue rastejar a cinco centimetros do chão,
com uma bocarra de rasgar até pneu de caminhão.
Quem o enxerga não se cansa de falar.
 
- Este bicho não deve ter coração !
 
Pobre Jacó ! Era pura mágoa.
Isolado de tudo, sofrendo e adoecendo sem sair um minuto sequer daquela água.
Não aceitava de jeito nenhum ser o que é.
Mergulhado em profunda tristeza da cabeça até o pé.
Estava lá no seu cantinho de sempre,
 
Um jabuti que passava por alí resolveu expiar o que era aquela criatura que estava alí a chorar.
Aproximou-se com receio para o bicho não atacar.
 
- Bo,bo,boom dia , posso lhe ajudar ?
 
Jacó até levou um susto pois a muito tempo ninguém lhe procurava para conversar.
No ínicio se indipôs pensando que o Jabuti era mais um que só queria saber a sua história para fazer gracejos depois.
Mas o pequeno quelônio, na verdade um bom aconselhador, resolveu não desistir do pequeno sofredor.
 
- Não gosto de ser o que sou, sou horrendo, não posso sequer brincar, e ninguém acredita que sou do bem e a dor não quero causar.
 
- Ora Jacó, você não é o único a não gostar de ser o que é, aliás a maioria pode ter certeza sofre por aquilo que não tem !
 
Há os que desejam possuir dos outros a graça e a beleza e esquecem de cuidar daquilo que Deus lhes deu pela própria natureza.
Aparência meu amigo não significa tendência e tampouco se põe a mesa.
Cada pessoa pode ser aquilo que deseja, se tiver força de vontade e lutar para transformar o que lhe incomoda nas infelizes mazelas da inferioridade.
Entregar-se a própria sorte e como esperar a morte, vamos, vamos companheiro! Mostre ao mundo que você veio a ele para evoluir ! E não para desistir !
- Mas como Sr. Jabuti , se ao olharem para mim as pessoas já se arrepiam e me associam ao terror ?
- Sr. Jacó, tens que se livrar desta culpa e a mania de concluir pelos outros aquilo que você próprio acha...este erro é mesmo a nossa desgraça ! Perceba-se melhor, por acaso já viste o teu reflexo na lagoa ?
- Claro, quero dizer... como não ! Estou sempre a me olhar ...
- Pois então olhe-se agora, mas vá mais a frente um pouquinho.
Então Jacó do seu canto se moveu e como recomendou o amigo tartaruga , olhou para o espelho da água e heis o que aconteceu ...
- Estou vendo um porco-espinho ! Mas onde estou eu ? Cadê o casco duro e os dentes afiadões ?
- Aquilo era apenas um tronco Jacó, o que vias era o reflexo do tronco de uma árvore próxima a margem que estavas. Nasceste próximo a lagoa dos jacarés por isso deduziu que era um deles, apesar de ter se percebido diferente não fez nenhuma força para se transformar, se entregou somente.
Ou será que sabia de tudo e queria mesmo pensar que era um jacaré indecente ?
- Não, não , tenha certeza, eu não sabia de nada, agora é que percebo porque só gostava de frutas e não conseguia respirar dentro da água.
- Calma Jacó , isso acontece sempre, as pessoas ainda que percebam as atitudes imorais de alguns, não se acham forte o bastante para enfrentá-las, e ficam como você quietinhos no seu canto ou juntam-se a eles para não parecerem tolos. Adoecendo e até morrendo de tristeza e desconsolo.
Então meu caro amigo, vá em frente, saia dessa lama e vá conhecer os seus. Vejo que nem se importou de não ser um bicho tão bonito ! Vá , boa sorte , adeus!
- Aprendí a lição meu amigo fraternal, agora vou defender os meus próprios principios, aquilo em que acredito ser do bem e não do mal, independente daquilo que sou, mesmo sem beleza, descobrí que o que interessa mesmo é a moral !
Obrigado por abrir meus olhos e me livrar dos escolhos do egoísmo e do orgulho.
- Ok, meu caro vamos sair daqui por que a jacarezada já ouviu o nosso barulho e não quero virar refeição...
Não fiz nada tenha certeza foi você quem ouviu o seu próprio coração.
 
FIM
 
( Respeite a autoria e o conteúdo - 2008)